Principal POLITICA Haverá um mundo depois do vírus. Mas que mundo será?

Haverá um mundo depois do vírus. Mas que mundo será?

0
Compartilhe

Um artigo de opinião assinado por Joaquim Jorge, biólogo, fundador do Clube dos Pensadores e do Matosinhos Independente.

“Nunca pensei ver os cidadãos a apoiarem medidas mais duras que os governos preconizam num Estado democrático: impedir de viajar, vigiar as pessoas, fechar as fronteiras, expulsar estrangeiros, fechar praias, encerrar as pessoas em casa, polícia a patrulhar as ruas.

As pessoas estão fechadas em casa e acham que isso vai resolver todos os problemas. Ao fazerem isso ficam aliviadas e pensam que está tudo resolvido, mas não está.

A quarentena obrigatória transformou cada um de nós em inquiridor. Acusar alguém é um orgulho, ver alguém na rua e acusá-lo como irresponsável.

Em cada esquina há um cidadão anti-má conduta social, mas esquece-se que ele pode ser portador do vírus e contagiar alguém.

O medo do vírus criou uma nova classe de justiceiros, que se julgam sabichões, bons e responsáveis.

Há umas semanas para cá Portugal tornou-se num hospital pelos infectados, mas também porque parece uma ala de psiquiatria.
O medo faz vir ao de cima o pior das pessoas. A espiral de informação cria pânico. Há gente que está a ficar louca.

Há pessoas que têm medo e vergonha de ter medo. Há pessoas que não têm medo, mas têm medo de dizê-lo porque as torna perigosas e irresponsáveis aos olhos dos outros.

Não há certezas de nada, unicamente precisamos de tempo para estarmos munidos de meios. No séc. XXI com tanta evolução e tecnologia, a única forma de combater este vírus é isolamento, método aplicado na Idade Média.

O mundo depois do vírus vai ser pior, mais gente egoísta, desconfiada, apreensiva, ressabiada, colérica e susceptível.

Um Mundo incapaz de conviver com outras pessoas e justiceiro. Não auguro nada de bom.”

Deixe seu comentário.

Please enter your comment!
Please enter your name here